Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Inscrições de alunos do INES para extensão e iniciação científica vão até dia 4; confira novo cronograma
Início do conteúdo da página
Notícias

Alunos e professores surdos do INES vão ao Rock in Rio com equipamento que permite sentir a música

  • Publicado: Quinta, 21 de Setembro de 2017, 10h19

Quatro alunos e quatro professores surdos do Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) foram ao Rock in Rio no último domingo, dia 17 de setembro, e conseguiram sentir as vibrações sonoras do show do Frejat graças a um equipamento chamado SubPac, na forma de uma mochila. A iniciativa partiu de uma parceria entre a produção do festival, a fabricante do SubPac e o INES, que já havia proporcionado a experiência na última edição do evento, em 2015, quando sete docentes puderam ter a dimensão física da percepção musical de forma intensa pela primeira vez.

O equipamento de áudio tátil emite baixas frequências para o corpo conforme a música que está tocando, com uma sensibilidade maior do sistema de captação nas frequências e tons mais graves. O sinal é captado da mesa de som do artista. Com a mochila, as vibrações são sentidas no ritmo da música. "O corpo recebe os estímulos através dos receptores de tato e pressão. As informações chegam na medula espinal e vão para o tronco encefálico e para o córtex, enquanto outras informações se encaminham para o vestíbulo, responsável pelo foco de atenção e equilíbrio", explica Leila Manhães, fonoaudióloga do INES. Leila ficou emocionada ao presenciar o momento: "Percebi quando entramos como eles se sentiram incluídos no Rock in Rio. É incrível como mudam a postura e sabem acompanhar a música com o SubPac", disse.

Para os alunos, a novidade foi surpreendente, e mesmo quem já havia passado pela experiência descobriu novas sensações: "Foi maravilhoso! Amei ter essa segunda chance e sentir novamente a vibração. A mochila faz com que eu sinta a voz do cantor, a bateria e tudo mais. O intérprete nos ajudou a entender a música e acompanhamos o ritmo com ele", contou a professora Andreza Raphael, se referindo ao tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais (libras) do INES Felipe Oliver, que passou o significado das letras para o grupo durante o show.

Além de Andreza, os professores Weslei Rocha, Renato Nunes, Jéssica Silva e mais quatro alunos do Colégio de Aplicação do INES, integrantes do Grêmio Estudantil (Gines), viram o show com a mochila. O grupo ainda assistiu às apresentações de Alicia Keys e Justin Timberlake na área acessível reservada para pessoas com deficiência, que fica perto do palco. Devido à proximidade, mesmo com o sinal cortado nas mochilas, os surdos conseguiram sentir parte das vibrações da música, com menor intensidade. Andreza destacou a acessibilidade do festival como diferencial na edição deste ano: "Valeu muito a experiência", completou.

A diretora do Colégio de Aplicação do INES, Amanda Ribeiro, que também foi ao festival no dia 17, acrescentou que os equipamentos utilizados foram doados ao instituto pela empresa fabricante do SubPac após a ação de 2015. "Estamos desenvolvendo projetos com o uso das mochilas. Há, inclusive, a proposta de elaborar uma oficina de música com os alunos", observou. A TV INES fez a cobertura do evento e vai veicular os registros da experiência na programação em breve.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página