O tradutor/intérprete de língua de sinais: um mediador de fronteiras culturais

Izaulita César Moura, Fátima Gonçalves Cavalcante

Resumo


Discute-se a importância do tradutor/intérprete de Língua de Sinais enquanto um mediador de fronteiras entre dois mundos culturais. Busca-se dar visibilidade à complexidade da tarefa do intérprete não apenas no campo da linguagem, mas também na área da subjetividade, levando em conta contribuições da Psicanálise. Partiu-se de uma pesquisa qualitativa realizada no Instituto Nacional de Educação de Surdos que abordou o tema da linguagem e subjetividade com alunos com surdez profunda. Concluiu-se que o papel social e subjetivo do intérprete de Libras precisa ser mais bem compreendido. O desafio não é apenas traduzir e informar, mas saber guardar os próprios pensamentos e sentimentos, para ser porta voz da fala, da expressão e da emoção de outra pessoa, de um sujeito que se manifesta em total alteridade. Assim, facetas menos conhecidas do papel intersubjetivo do tradutor/intérprete são apontadas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20395/re.v0i39.165

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Espaço

Revista Espaço 1990-2019 | INES - Instituto Nacional de Educação de Surdos

ISSN Impresso 0103-7668

ISSN Eletrônico 2525-6203

Indexação