A Política Pública e Linguística na construção e desconstrução para Educação na visão do surdo

Shirley Vilhalva

Resumo


O artigo apresenta o olhar surdo diante das ações propostas no Relatório de Política Linguística de Educação Bilíngue - Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. As políticas públicas e linguísticas fazem jus à formação de profissionais bilíngues nas Instituições de Educação Superior, que por sua vez tem aberto as portas da graduação e pós-graduação (Lato Sensu e Stricto Sensu) para os surdos, como exemplo temos o vestibular acessível. Elas enfatizam que é de suma importância os registros em vídeo e em Libras das aulas, para que os estudantes surdos possam rever as aulas, já que, durante estas, eles não podem fazer as suas anotações em língua portuguesa escrita, ao mesmo tempo em que centram sua atenção no intérprete. Trata-se de um trabalho com o propósito de reivindicar às Coordenadorias Gerais de Educação Bilíngue, Libras e Língua Portuguesa, bem como de Surdos e cada segmento especificado: povo Indígena surdo, Imigrantes, de Fronteira, de Português e Línguas Estrangeiras. Como foco referencial e documental este trabalho está baseado nas legislações existentes e no Relatório de Política Linguística de Educação Bilíngue - Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa, documento este que será discutido ao longo do artigo.


Palavras-chave


Políticas Linguísticas; Surdo; Língua de Sinais; Educação Bilíngue.

Texto completo:

PDF

Referências


BAALBAKI. Â. C. F. LÍNGUAS, ESCOLA E SUJEITO SURDO: Análise Do “Relatório Sobre a Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira De Sinais E Língua Portuguesa” Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Línguas e culturas em contato nº 53, p. 323-342. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/index.php/cadernosdeletras/article/view/261/168 - Acesso em 14/01/2018.

BRASIL. BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR_BNCC/MEC. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em 15/01/2018.

________. DECRETO Nº 5626, de dezembro de 2005, publicado no DOU de 23.12.2005, que Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm Acesso em 13.01.2018

________. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização e Diversidade. Relatório sobre a Política Linguística de Educação Bilíngue - Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa do Grupo de Trabalho, designado pelas Portarias nº 1.060/2013 e nº 91/2013 do MEC/SECADI. Brasília, fevereiro de 2014. Disponível em:

_________.DECRETO N° 7.387, de 9 de dezembro de 2010, publicado no DOU de 10.12.20010, que institui o Inventário Nacional da Diversidade Linguística e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7387.htm. Acesso em 13.03.2018

_______. DIRETRIZES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA/MEC, disponibilizado no:

portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf. 2001. Acesso em 15/01/2018.

________. LEI Nº 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6001.htm. Acesso 30/01/2018.

________. MINISTÉRIO DA CULTURA/IPHAN. PROGRAMA NACIONAL DO PATRIMÔNIO IMATERIAL IPHAN. Disponível em:

http://www.cultura.gov.br/documents/10883/38605/iphan_-prmfa-08_edital-c-cartaz.pdf/acc02b0f-f684-4c4e-acd6-b23e335c95d0. Acesso 29/01/2018.

BRASÍLIA. A CONVENÇÃO SOBRE DIREITO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COMENTADA. Coordenação de Ana Paula Crosara Resende e Flavia Maria de Paiva Vital _ Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 2008. p. : 21 cm. Disponível em:

https://www.governoeletronico.gov.br/documentos-e-arquivos/A%20Convencao%20sobre%20os%20Direitos%20das%20Pessoas%20com%20Deficiencia%20Comentada.pdf. Acesso: 15/01/2018.

MORELLO, R. UMA POLÍTICA PÚBLICA E PARTICIPATIVA PARA AS LÍNGUAS BRASILEIRAS: sobre a regulamentação e a implementação do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL) Revista Gragoatá Niterói, n. 32, p. 31-41, 1. sem. 2012.

PERINI-SANTOS. Pedro, Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 83-87, jan./mar. 2012.http://dx.doi.org/10.5007/1984-8412.2012v9n1p83. MÜLLER, Ronice de Quadros; CRUZ, Carina Rabello. Língua de sinais - instrumentos de avaliação. Porto Alegre: ARTMED, 2011. 159 p.

QUADROS, R. M. POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO DE SURDOS BRASILEIROS. In: Ana M. Carvalho. (Org.). Linguística luso-brasileira. Ed. Madrid: IBEROAMERICANA EDITORIAL VERVUERT, 2009.

STROBEL, Karin. AS IMAGENS DO OUTRO SOBRE A CULTURA SURDA. Florianópolis: ED. Da UFSC, 2008, 118 p.

THOMA, A. S. et al. RELATÓRIO SOBRE A POLÍTICA LINGUÍSTICA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE: Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília, DF: MEC/SECADI, 2014. 23 p. (Grupo de Trabalho designado pelas portarias n° 1.060/2013 e n° 91/2013 do MEC/SECADI). Disponível em:

http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=56513. Acesso: 15/01/2018.

UNESCO. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGUÍSTICOS. Disponível em:

http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/a_pdf/dec_universal_direitos_linguisticos.pdf. Acesso: 15/01/2018.

VILHALVA, S. EDUCAÇÃO DE SURDOS: Direitos Linguísticos Ameaçados In: GOMES, Gerarda Neiva Cardins e NASCIMENTO, Juliana de Brito Marques (Org.) Experiências Exitosas em Educação Bilíngue para Surdos. Fortaleza: SEDUC, 2011. p. 45 - 55.

_________ MAPEAMENTO DAS LÍNGUAS DE SINAIS EMERGENTES: um estudo sobre as comunidades linguísticas Indígenas de Mato Grosso do Sul – Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2009.

http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/a_pdf/dec_universal_direitos_linguisticos.pdf. Acesso 30.01.2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.20395/fb.v0i37.467

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 1518-2509
ISSN Eletrônico: 2525-6211 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Forum está avaliada como B4 no Qualis- Interdisciplinar/CAPES

 

INDEXADA EM:


Resultado de imagem para sumario.org logo  Resultado de imagem para google acadêmico Resultado de imagem para portal periódicos capes  Resultado de imagem para doaj  Imagem relacionadaResultado de imagem para livre cnen