Libras e o ensino de Aritmética por meio de atividades lúdicas

Silene Madalena, Manoela Vale

Resumo


A ludicidade, quando associada a situações de aprendizagem acadêmica, costuma proporcionar momentos em que a construção do conhecimento vem acompanhada do prazer em aprender. Dentre as atividades lúdicas, o jogo estabelece situações-problema que requerem uma série de operações mentais para a obtenção de sucesso, estimulando a participação ativa dos jogadores. A busca de soluções para concluir o jogo antes que os outros competidores o façam, estimula o desenvolvimento do raciocínio lógico, além de possibilitar a autoavaliação do desempenho de cada um. Assim, jogos que envolvem as operações de adição e subtração passaram a integrar o conjunto de estratégias didáticas utilizadas pelas professoras da Oficina de Matemática do Setor de Ensino Fundamental 1 (SEF1). Considerando-se as vantagens que essas atividades possibilitam, destacamos a agilidade na realização de cálculos mentais, bem como a formação de um acervo de formas aditivas que podem ser memorizadas pelos estudantes durante a realização das diversas jogadas em uma mesma partida. Outro fator que vale a pena ser enfatizado diz respeito aos “algoritmos sinalizados” empregados pelos alunos para realizar as operações de campo aditivo de pequenas quantidades. É comum ver crianças e jovens surdos que frequentam a oficina passarem a conhecer diferentes maneiras de calcular em Libras ao observar seus colegas de classe realizando esses algoritmos durante as jogadas. Os resultados obtidos por meio dessas atividades têm motivado os alunos a participar ativamente da oficina, contribuindo não só para o desenvolvimento de habilidades matemáticas que envolvem cálculo, como também estimulando a iniciativa, a autonomia e a persistência diante de desafios.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, A. P; SILVA, V. A. da. Uso da ludicidade no processo de ensino aprendizagem de matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. COLÓQUIO INTERNACIONAL “EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE”, 4., 2010, São Cristóvão. Anais eletrônicos... São Cristóvão: EDUCON, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 2, p. 03-11, 2000.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros/OCDE-Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Fundação Santillana, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017.

KAMII, C; HOUSMAN, L. B. Crianças pequenas reinventam a aritmética: implicações da teoria de Piaget. Tradução Cristina Monteiro. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

KAMII, C.; JOSEPH, L. L. Crianças pequenas continuam a reinventar a aritmética (séries iniciais): implicações da teoria de Piaget. Tradução Vinicius Figueira. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MADALENA, S. P; OLIVEIRA, M. V.; NUNES, C. V. Oficina de Matemática para alunos surdos do serviço fundamental I (SEF 1) do INES. Fórum, Instituto Nacional de Educação de Surdos, Rio de Janeiro, v. 24, p. 41-52, 2011.

MOURA, M. O. O jogo e a construção do conhecimento matemático. São Paulo: FDE, 1992. p. 45-53. (Série Ideias, 10).

NUNES, T.; BRYANT, P. Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

NUNES, T; MORENO, C. The Signed Algorithm and its Bugs. Educational Studies in Mathematics, v. 35, n. 1, p. 85-92, 1998.

RAMOS, L.F. Conversas sobre números, ações e operações: uma proposta criativa para o ensino de matemática nos primeiros anos. São Paulo: Ática, 2009.

TOMASELLO, M. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. Tradução Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VERGNAUD, G. A criança, a matemática e a realidade. Curitiba: Editora UFPR, 2009.

VERGNAUD, G. Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didáctica das matemáticas. Um exemplo: as estruturas aditivas. Análise Psicológica, v. 1, p. 75-90, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.20395/fb.v0i38.518

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 1518-2509
ISSN Eletrônico: 2525-6211 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Forum está avaliada como B4 no Qualis- Interdisciplinar/CAPES

 

INDEXADA EM:


Resultado de imagem para sumario.org logo  Resultado de imagem para google acadêmico Resultado de imagem para portal periódicos capes  Resultado de imagem para doaj  Imagem relacionadaResultado de imagem para livre cnen