Horta-oca: espaço de convivência, trocas, aprendizagem e cultivo de ideias

Joana Lyra, Maria Lucia Vignoli

Resumo


O presente texto apresenta um relato de experiência sobre a horta-oca, uma iniciativa do Instituto Nacional de Educação de Surdos, que vem sendo cultivada por professores de artes e alunos surdos com idades entre 8 e 21 anos. Iniciada em 2015, com uma turma de 1o ano do Ensino Fundamental, a horta-oca configura-se como um espaço de convivência, trocas, aprendizagens e cultivo de ideias. As práticas pedagógicas experimentadas e a utilização de ferramentas como enxada, escavadeira e pá possibilitaram o agenciamento e a ampliação das vivências corporais e sensoriais de crianças e jovens conforme os princípios da educação pela experiência e pela prática de Paulo Freire. A horta-oca, conectada à noção da agroecologia, proporciona um ambiente favorável à revalorização de tradições e sabedorias populares e indígenas; ao encontro com a diversidade de saberes e sabores; à conexão com a terra e os ciclos da natureza; e à reflexão sobre a relação entre ciência e arte, com ênfase em ações coletivas que promovam o bem viver. Ao relato das experiências vividas consolidado no formato de um diário das ações, agrega-se uma narrativa visual integrada por fotos e pequenos vídeos produzidos no curso do processo.


Palavras-chave


Arte. Agroecologia. Cultivo de ideias. Horta. Educação de surdos.

Texto completo:

PDF

Referências


BOFF, L. Ecologia: grito da terra grito dos pobres. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução Newton Roberval Eichenberg. São Paulo: Cultrix, 2006.

CAPRA, F. Alfabetização ecológica: o desafio para a educação do século 21. In: Trigueiro, A. (Coord.). Meio ambiente no século 21. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

DOS SANTOS, R. C. Cérebro ocidente/cérebro Brasil: arte-escrita-vida-pensamento-clínica — tratos contemporâneos. Rio de Janeiro: Circuito/FAPERJ, 2015.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia?. Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MATURANA, H. R.; VERDEN-ZÖELER, G. Tradução Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena, 2004.

PIORSKI, Gandhy. Criança e natureza. In: TERRITÓRIO DO BRINCAR. Diálogos do Brincar #2: 'Criança e Natureza', com Gandhy Piorski. 2016. (59m24s). Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2019.

SKLIAR, C. Desobedecer a linguagem: educar. Tradução Giane Lessa. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

TEIXEIRA, A. Bases da teoria lógica de Dewey. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 23, n. 57, jan.-mar. 1955.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. Tradução Rosa L. Peralta. São Paulo: Expressão Popular, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.20395/fb.v0i38.526

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 1518-2509
ISSN Eletrônico: 2525-6211 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Forum está avaliada como B4 no Qualis- Interdisciplinar/CAPES

 

INDEXADA EM:


Resultado de imagem para sumario.org logo  Resultado de imagem para google acadêmico Resultado de imagem para portal periódicos capes  Resultado de imagem para doaj  Imagem relacionadaResultado de imagem para livre cnen