Enunciados inferenciais e estrutura gramatical na interlíngua de surdos aprendizes de português L2

Heloisa Maria Lima-Salles, Aline Camilla Romão Mesquita, Rosana Cipriano Jacinto da Silva

Resumo


O estudo examina a interlíngua de surdos usuários da Língua Brasileira de Sinais como primeira língua (L1), e português como segunda língua (L2), considerando, em particular a ocorrência de enunciados inferenciais e de propriedades gramaticais da língua-alvo. Assumindo os pressupostos da Teoria da Relevância, demonstra-se que os enunciados apresentam conclusões triviais e não-triviais, apontando para o sucesso da metodologia de ensino, e que o argumento beneficiário pode ser realizado, seja na estrutura do sintagma preposicional, como exigido pela língua-alvo (embora a escolha da preposição possa não ser convergente), seja em uma configuração sem a preposição, o que permite uma correlação com os chamados verbos de concordância em Libras, corroborando a hipótese do desenvolvimento linguístico, sendo Libras o estado inicial. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20395/re.v0i44.73

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Espaço

Revista Espaço 1990-2019 | INES - Instituto Nacional de Educação de Surdos

ISSN Impresso 0103-7668

ISSN Eletrônico 2525-6203

Indexação